Entre cantos, danças e cores a Congada da Lapa é uma manifestação cultural afro-descente. Conta o conflito entre o embaixador da rainha da Ginga e o rei do Congo. É a ultima Congada em atividade no Paraná. O texto do espetáculo foi trazido por um viajante no século IXX para a família Ferreira que mantém viva a memória e cultura dos seus antepassados. 

Congada da Lapa

A Família Real

Formada pelo Rei, Rainha e Reizinho, a família real, na história, recebe a visita do embaixador da rainha da Ginga, sem aviso pensa que é uma invasão e se inicia um conflito.

 

"Minha gente venham ver os conguinhos à dançar"

Os Conguinhos encantam à todos com suas roupas amarelas e coroas vermelhas. Na história são os que acompanham o Embaixador em sua jornada. Ouça o mestre Ney Ferreira cantando:

A Congada da Lapa é a mais pura expressão do folclore lapeano, paranaense e brasileiro, sendo uma representação profana, impregnada de religiosidade. A Congada sempre foi criada por escravizados há mais de 100 anos, em louvor ao seu santo de devoção, o Santo Preto, São Benedito. Um dia após o natal, 26 de dezembro, dia dedicado a São Benedito, os escravizados recebiam de seus senhores os restos das grandes ceias de nata da Casa-Grande, e então podiam comemorar com danças, batuques e cantos que revelavam a sua profunda devoção por São Benedito. A nostalgia sentida das distantes terras africanas de onde haviam sido retiradas à força.

No tempo do império, os escravizados eram vestidos pelas famílias as quais pertenciam, que faziam questão de vesti-los ricamente com veludos, rendas, sedas, bordados e plumas (uma alusão às cortes europeias) como pagamento a uma promessa feita a São Benedito.

Na Lapa, o tablado onde se apresentavam os Congos, transformava-se em uma disputa onde cada família apresentar o seu Congo mais ricamente vestido, usando as mais ricas joias da família do seu senhor. Após abolição da escravatura manteve-se a tradição popular de prestar homenagem ao Santo e representar essa luta entre os reinos africanos, o Rei do Congo, com seus fidalgos contra a Rainha da Angola, composta do embaixador e seu exército”.

Fotos por Jamile Linhares